Quem sou eu

Minha foto
Meu nome é Renata, baiana, bacharel em história e apaixonada por moda. Espero que no blog possa passar um pouco do meu conhecimento de moda, não só trazendo dicas de roupas, acessórios etc., mas um pouco de História sobre o mundo fashion.

Posts

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Meus vestidos prediletos do Emmy 2016

Olá pessoal!

Vestidos que mais gostei no Emmy 2016.

Os dois primeiros foram o que mais amei!!!

Perfeito!!!

Postei sobre Zuhair Murad aqui simplesmente amo os vestidos dele.

Kristen Bell veste Zuhair Murad

Amo essa tom de rosa!


Viola Davis veste Marchesa


Maisie Williams veste Markus Lupfer

Sophie Turner veste Valentino

Kristen Dunst veste Ginvenchy

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Zuhair Murad

Olá pessoal!!

Hoje o perfil é de um estilista que ADORO!!

Os vestidos de Zuhair são maravilhosos e cheios de brilhos! A minha cara! Rs...



O estilista Zuhair Murad nasceu em Beirute, Líbano em 1971. O amor pelos vestidos exuberantes surgiu cedo. “Enquanto meus colegas de escola desenhavam aviões e caminhonetes, eu esboçava croquis de vestidos, que depois dava à minha mãe”. O menino que desenhava roupas que pareciam saídas de contos de fadas logo chamou a atenção da ala feminina da família.

Aos 15 anos, ele já vendia seus croquis a amigas e parentes. “Mais tarde, descobri o mundo mágico de Christian Dior e suas coleções atemporais. Ele me abriu a porta para uma fonte inesgotável de feminilidade, que nunca mais abandonei.” Em 1995, depois de se formar em artes e desenho, o designer montou seu ateliê em Beirute, cidade que continua sendo o QG de criação da marca.




Seis anos mais tarde, em 2001, estreou na semana de moda parisiense, em que desfila até hoje. Assim como seu compatriota mais famoso (e com mais anos de estrada), Elie Saab, ele leva às passarelas um je ne sais quoi de seu background árabe em traços, formas e estampas sedutores, aliados ao padrão clássico ocidental. Um resultado que cria o desejo imediato. Mas, afinal, o que é que o Líbano tem para ser o berço de designers tão sensíveis aos desejos femininos? “A natureza do país é uma grande fonte de inspiração. Os mais variados tons se misturam para criar cenários maravilhosos em todas as estações do ano. Somado a isso, o contexto urbano, com um mix das culturas europeia e oriental, resquício das civilizações que passaram por aqui, é muito rico”. “No Líbano, todo mundo acompanha a moda. A elegância é um estilo de vida.” Famoso pela opulência e pelo luxo, ele passa longe da cartilha do minimalismo.




A receita para enfeitiçar as mulheres, aliás, é maximalista: organza, musseline, seda, renda, aplicações de brocados, brilhos… Tudo usado ao mesmo tempo. Sem se guiar por tendências da estação, o estilista busca inspiração nas próprias mulheres, o que talvez ajude a explicar seu sucesso. “Crio para elas e me inspiro por elas. É um ciclo perfeito. Penso em uma mulher extremamente feminina, elegante, suntuosa e contemporânea. É alguém que entende de moda e é confiante em si e em suas escolhas. Ela tem alguma coisa que nos intriga e nos perturba, mas nunca conseguimos identificar o que é. Aí está o elemento misterioso que tento capturar enquanto desenho.” Os vestidos de couture que nos fazem suspirar são o fruto dessa inspiração e de um trabalho árduo, realizado por uma equipe numerosa, que vive sob o comando de um mago. “Fazer uma coleção se tornar realidade é um longo processo. Misturamos, cortamos, modificamos, trocamos. É uma tarefa sempre em desenvolvimento, até chegarmos às combinações perfeitas para cada vestido”, revela Murad. Uma verdadeira alquimia feita sob medida para o seu closet. Descoberto pelas mulheres famosas como Jennifer Lopez, Beyoncé, Katy Perry, Fergie, Taylor Swift e Christina Aguilera, o estilista tem feito a cabeça de muitas celebridades que buscam peças exclusivas e ultraglamourosas. Mas ele não veste apenas famosas. Em seu ateliê em Beirute, ele atende com hora marcada senhoras da alta-sociedade árabe. Já as afortunadas europeias podem comprar suas criações na loja parisiense da rue François 1er, pertinho das avenidas Montaigne e Champs-Elysées.


Facebook: https://www.facebook.com/zuhairmuradpage/

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Dicas para o fim de semana.

Olá pessoal!

Depois de dias dedicados ao esporte acompanhando tudo da Olimpíada dicas bacanas de filme, série e livro para o fim de semana.

Acho que já deu para perceber meu amor pelo cinema e gosto de rever filmes que já tinha assistido principalmente os clássicos do cinema.

O pianista é um deles.



Direção:  Roman Polaski
Elenco: Adrien Brody, Thomas Kretschmann, Emilia Fox... 
Gêneros  Drama, Histórico
Nacionalidades França, Reino Unido, Alemanha, Polônia

SINOPSE 
O pianista polonês Wladyslaw Szpilman (Adrien Brody) interpretava peças clássicas em uma rádio de Varsóvia quando as primeiras bombas caíram sobre a cidade, em 1939. Com a invasão alemã e o início da 2ª Guerra Mundial, começaram também restrições aos judeus poloneses pelos nazistas. Inspirado nas memórias do pianista, o filme mostra o surgimento do Gueto de Varsóvia, quando os alemães construíram muros para encerrar os judeus em algumas áreas, e acompanha a perseguição que levou à captura e envio da família de Szpilman para os campos de concentração. Wladyslaw é o único que consegue fugir e é obrigado a se refugiar em prédios abandonados espalhados pela cidade, até que o pesadelo da guerra acabe.


Luther

Outro vicio que tenho são pelas séries e ouvindo uma rádio aqui de Salvador um dos apresentadores indicou Luther. Devo confessar que tenho um apreço especial pelas series do Reino Unido – não sei se falo séries inglesas ou britânicas.

Essa foi uma boa indicação!

Criado por 
Neil Cross(2010)
Com
Idris Elba, Darren Boyd, Rose Leslie ...
País
Reino Unido
Gênero
Desconhecido
Status
Desconhecido
Duração
52 minutos


Sinopse 

Escrito por Neil Cruz John Luther (Idris Elba) é um brilhante detetive. Lutando contra os próprios demônios, sua mente nem sempre pode salvá-lo da violência de suas próprias paixões, que podem ser tão perigosas quanto os assassinos que ele persegue.
Elba foi premiado com um  Globo de Ouro e ao Screen Actors Guild Award por seu desempenho. 

Jubiabá

Esse livro li para o vestibular e adorei! Gosto bastante dos livros de Jorge Amado e esse é um dos que mais gosto.


Sinopse

Antônio Balduíno nasce órfão no morro do Capa-Negro, que tinha como grande referência espiritual o centenário feiticeiro e ex-escravo Jubiabá. Depois de uma infância de liberdade e pequenos delitos nas ruas de Salvador, vira malandro, sambista e desordeiro, até ser transformado em boxeador profissional por um empresário italiano. Encerra a carreira prematuramente ao tomar uma surra no ringue numa noite de bebedeira e acaba indo trabalhar nas plantações de fumo do Recôncavo Baiano. Explorado ao extremo, apunhala um homem, foge, se engaja num circo ambulante, volta a Salvador, vira estivador, faz greve. Ao longo dessas muitas vidas, choca-se contra o mundo das mais variadas formas, até atingir um vislumbre de compreensão da realidade que o cerca e de seu lugar nela.


quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Hugo Boss

Olá pessoal!

Algum tempo atrás postei que Hugo Boss desenhou os uniformes do partido Nazista. Fiquei curiosa e pesquisei um pouco mais sobre ele e como tem acontecido não encontrei muita coisa.




Hugo Boss é uma marca de moda alemã, que produz e vende roupas e produtos relacionados, como perfumes.

A empresa leva o nome do seu fundador, o empresário alemão Hugo Ferdinand Boss (1885–1948). Ele começou seus empreendimentos em meados de 1924 em Metzingen, uma pequena cidade ao sul de Stuttgart. Devido aos problemas financeiros da Alemanha na década de 1920, Hugo teve problemas em se estabelecer até que em 1931, através de um acordo com seus credores, conseguiu colocar sua empresa de pé novamente. Nesse mesmo ano, se filiou ao Partido Nazista. Seu relacionamento com os nazistas permitiu que seus negócios finalmente decolassem e sua empresa prosperou durante a era do Nazismo.

A Hugo Boss acabou fazendo os uniformes de várias milícias e oficiais nazistas, como a Stumabteilung (SA), a  Schutzstaffel (SS), a  Juventude Hitlerista e o  NSKK. Foi reportado que na casa de Hugo havia uma foto dele com Adolf Hitler, o ditador alemão. Ao fim da Segunda Guerra Mundial, ele foi preso e acusado de ser filiado ao partido nazista (agora uma organização ilegal). Em 1946, foi destituído dos seus direitos políticos e outros benefícios como cidadão, mas sua empresa sobreviveu. Ao fim da década de 1960, a companhia prosperava novamente. Nos anos 2000, entraram para o ramo da moda, diversificando seus negócios e angariando grandes lucros. É atualmente uma das empresas mais de produtos de moda mais bem sucedidas do mundo.

A sua marca está associada com patrocínios esportivos, especialmente com a equipe McLaren de Fórmula 1 desde 1981, mas em 2015 a famosa marca de moda alemã deixou de patrociná-la e passou a estampar as carenagens da Mercedes.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Hugo_Boss

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Museu Armani.

Olá pessoal!

Esse museu deve ser fantástico!

Um pouco sobre o museu.

Museu Armani
Giorgio Armani inaugurou seu novo espaço aberto ao público, nomeado Armani/Silos, que funcionará como museu de moda e onde ficará todo o legado da marca, além de servir como espaço de exposições temporárias. Em comemoração aos 40 anos da grife, a abertura do Silos foi marcada por um desfile que contou a história de Georgio Armani com mais de 600 peças de roupa e 200 acessórios criados pelo seu fundador desde 1980. “Eu escolhi o nome Silos porque aqui foram armazenados grãos, material para viver e se alimentar. E assim, eu acho que, como a comida, as roupas também servem para viver. ” Com estas palavras, Giorgio Armani, pessoalmente, acompanhou a primeira visita inaugural ao Armani/Silos, que fica na Via Bergognone em Milão, que além de museu tem escritórios, um café, loja de presentes e um salão para desfiles.
O Grupo Armani investiu cinquenta milhões de euros para transformar um antigo celeiro no bairro de Tortona em Milão, num espaço de exposição contemporânea, para comemorar em 30 de abril de 2015 o quadragésimo aniversário da atividade do designer com um grande desfile. O edifício, original construído em 1950, com a reforma está distribuído por quatro níveis, com uma área total de cerca de 4.500 metros quadrados. O museu apresenta as roupas sem seguir qualquer ordem cronológica e não têm a pretensão de ser exaustivo e a seleção é dividida de acordo com os temas que inspiraram e continuam a inspirar o trabalho criativo do estilista. 





O Armani/Silos procura ilustrar a experiência profissional da marca, enquanto apresenta simultaneamente novas atitudes e estilos de vida que capturam épocas e culturas. A arquitetura minimalista e atemporal do projeto é o resultado do desejo de uniformidade de Armani, indo contra as tendências que se inclinam para uma estética mais elaborada. A reforma preservou a forma original incomum do prédio, que recorda a natureza trabalhadora das abelhas em forma de colmeia. Internamente, o edifício é organizado com base em um layout de basílica: um espaço aberto no centro de quatro andares com dois níveis de vista para ambos os lados, em contraste com o piso de cimento cinza, os tetos são pintados de preto e revelam não só a estrutura de ferro das novas lajes, mas também todos os elementos de serviço para aquecimento, arrefecimento e iluminação.
A abertura da exposição, abrangendo todos os quatro andares, oferece uma visão geral dos 40 anos de carreira do designer, incluindo 600 roupas e 200 acessórios de coleções Giorgio Armani, de 1980 até o presente. A seleção é organizada com base em uma série de temas que têm influenciado o trabalho do estilista: daywear ao nível do solo, o exotismo no primeiro andar, esquemas de cores no segundo andar, e o terceiro e mais alto nível é focado no tema da luz.
Uma escadaria central passa por uma abertura vertical que permite aos visitantes subir as escadas para perceber a altura e tamanho do edifício. Juntamente com as galerias de exposição, o programa inclui uma loja de presentes, um café e um arquivo de desenhos digitais, desenhos técnicos e materiais em várias coleções. Usando as formas originais dos silos, o designer também demonstra seu compromisso em eliminar a ornamentação desnecessária da mesma forma com que desenha suas roupas, para não serem uma tendência passageira mas algo atemporal durável.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Post perdido do mês de junho.

Olá pessoal!

Encontrei esse post pedido no meu HD. Rs.....

Como todo começo de mês foi o mesário da minha sobrinha e dessa vez também uma trezena de Santo Antônio. Quando tem mensário geralmente não me arrumo muito porque só tem família, mas para ir para um trezena é preciso um pouco mais de capricho, escolhi uma vestido preto e branco que eu adoro e que uso pouquíssimo.


Acessórios pretos e prata, sapatilha preta e bolsa preta.  Preto e branco uma combinação que é difícil dar errado.

Vestido: comprei nos EUA
Bolsa: Detagle
Sapatilha: ABX contempo

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Resenha sobre Probentol

Olá pessoal!

Uma pequena estória: fui comprar remédios na farmácia quando bati o olho no Bepantol spray. Até então não tinha encontrado. Tomei um susto com o valor 38,90! Resolvi comprar em outra farmácia que os valores são menores.

Chegando nessa dita farmácia que o Bepantol normal sem o spray custa 30 reais e um pouquinho e Probentol sem spray custa 12. Tomei um susto com a diferença de preço. E claro que comprei o Probentol! Coloquei em um recipiente de viagem que tem spay que funcionou perfeitamente.

Eu comprei para passar no rosto já que meu hidratante facial e minha água termal terminaram e queria outra opção mais barata. Simplesmente ADOREI






A pele está hidratada e não precisa borrifar muito. Recomendo.
Procurei mais informações sobre o produto, mas não encontrei. 

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Aniversário na pizzaria.

Olá pessoal!!

Adoro as amigas que comemoram aniversário em pizzaria! Rs...

Eu gosto bastante da combinação preto e marrom e preto e bege, fica sempre arrumado e elegante. Foi os tons escolhidos para o look. Adoro essa minha saia marrom de camurça e foi uma das melhores compras que fiz na vida. A outra peça que eu amo é essa blusa preta com um malha deliciosa – não sei exatamente qual o material -, nos pés espadrilhes e fechando o visual mais uma peça que amo: minha bolsa de pano com flores aplicadas. Rs.....

Perceberam que amei meu look né? Rs......


Espadrilhe: Rener
Saia: Forever 21
Blusa: não lembro
Bolsa: Shoestock

terça-feira, 19 de julho de 2016

Um pouco sobre a história do jeans.

Olá pessoal!!

Espiando uma das minhas páginas favoritas do face book me deparo com a história do jeans e estou dividindo com vocês.

A história do jeans: A peça que tem se reinventado ao longo dos tempos.

Quando os Estados Unidos se emanciparam do Império Britânico, os antigos colonos pararam de importar brim da Europa e passaram a produzir localmente com algodão colhido por escravos no sul do país, que era, posteriormente, fiado, tingido e tecido no norte. A Revolução Industrial foi fortemente impulsionada pelo mercado têxtil, que sustentou praticamente sozinha a escravidão no país. Quando o descaroçador de algodão mecanizou o processamento em 1783, os preços, já subsidiados pelo trabalho escravo, caíram drasticamente. Bens baratos impulsionaram a demanda, e um círculo vicioso se sucedeu. No período entre a invenção do descaroçador de algodão e a Guerra Civil, a população escrava dos EUA aumentou de 700 mil para assombrosos 4 milhões.



Depois da Guerra Civil, empresas como Carhartt, Eloesser-Heynemann e OshKosh passaram a oferecer macacões de algodão para mineiros e trabalhadores de ferrovias e fábricas. 

Um imigrante alemão que se restabeleceu na América, chamado Levi Strauss ouvia sempre reclamações dos mineradores sobre a fragilidade de suas roupas.

Com as primeiras notícias sobre as descobertas de ouro na Califórnia, Levi Strauss decidiu abrir em São Francisco uma loja de tecidos e roupas mais resistentes em 1853, junto com seu cunhado David Stern, fundando assim aquela que viria a se tornar a famosa empresa Levi Strauss & Company.

Em 1872 o costureiro Jacob Davis de Reno (Nevada) propõe a Levi Strauss a ideia de reforçar as costuras das calças usadas pelos mineiros com rebites. O sucesso de venda dessas calças foi tão grande que Strauss e Davis decidiram requerer a patente do produto. O dia 20 de maio de 1873 marca o início da história de sucesso da calça jeans, pois nesse dia foi concedido a United States patent no. 139121 para os assim chamados Waist-Overalls, reforçados com rebites de cobre.

Nascia, então, a calça jeans 501 da Levi’s, que viria a se tornar a peça de roupa mais vendida da história da humanidade.

Levi Strauss morreu em 26 de Setembro de 1902.

Obs: ('jeans' não era o nome do tecido. Denim é o nome oficial do tecido usado para criar as 'calças jeans')

https://www.facebook.com/FotografiasDaHistoria/?fref=ts